publicidade

Recanto do saber

Para que a biblioteca cumpra a função de expandir o conhecimento, é preciso diversificar o acervo e torná-la um ambiente de descobertas

Ana Rita Martins

Foto: Ricardo Jaeger
AÇÕES QUE CATIVAM Ter intimidade com o acervo e usar estratégias corretas potencializa o uso da biblioteca. Foto: Ricardo Jaeger

A pesar de não ser o responsável pela organização das prateleiras, cabe ao professor conhecer a variedade de títulos e materiais disponível nas bibliotecas escolares para, como um planejamento eficiente e estratégias pensadas, enriquecer o ensino dos conteúdos curriculares. "O docente deve procurar saber quais são as possibilidades para a sua disciplina. Essa etapa vai facilitar a discussão sobre o formato e o papel das atividades", afirma Lucila Martínez, especialista que implementou políticas da área para governos latino-americanos pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

Segundo ela, com a correta utilização das obras, é possível expandir o conhecimento da turma e ampliar os horizontes dos estudantes, que sentirão necessidade de acessar outras estações, como bibliotecas públicas. "Também é possível valorizar a produção própria dos alunos, que vão ser representados entre os autores tradicionais, e estimular a leitura pelo prazer, em rodas de leitura, por exemplo", complementa a especialista.

Pesquisas feitas pelo governo federal nos últimos anos já detectaram uma relação clara entre o uso frequente do espaço e o bom desempenho dos estudantes. "A biblioteca escolar bem utilizada funciona como uma potente ferramenta para o desenvolvimento do aluno, de sua autonomia intelectual e também do processo de ensino e aprendizagem", afirma Marcelo Soares, diretor de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para a Educação Básica, do Ministério da Educação (MEC).

Por meio de livros, mas também de revistas, mapas, atlas e materiais multimídia, o educador de todas as disciplinas pode ampliar a bagagem das crianças, ensinar e fazê-las tomar gosto pelo conhecimento e pela leitura. Confira, a seguir, as cinco estratégias fundamentais para utilizar a biblioteca escolar de forma mais eficaz com a turma.

1. Conhecer os materiais é chave para planejar o trabalho

 

Foto: Normando Sóraclis
MUITO ALÉM DO LIVRO Jornais também fazem parte do acervo. Em Matemática, notícias de economia são conteúdo. Foto: Normando Sóraclis

É fato que as bibliotecas escolares costumam ser mais usadas nas aulas de Língua Portuguesa, mas não deve ser assim. "Os livros de literatura são importantes, claro, mas os professores de todas as disciplinas devem se apropriar do acervo, diversificando o trabalho com a utilização de obras de referência (dicionários, enciclopédias e similares), livros didáticos, paradidáticos, técnicos, científicos, materiais audiovisuais, periódicos e jornais, entre outros", ressalta Edmir Perrotti, doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP).

Maria Delma Pereira leciona matemática no 9º ano na EE Simão Ângelo, em Penaforte, a 631 quilômetros de Fortaleza, e aplicou essa teoria para integrar a biblioteca à rotina dos alunos. "Pesquisando, vi uma boa quantidade de jornais e revistas e resolvi usar as notícias de economia para ensinar porcentagem", conta. "Eles selecionavam o índice de desempregados no estado citado pela reportagem escolhida e, com base no número da população total, calculávamos quantas pessoas estavam fora do mercado de trabalho. O processo inverso, de ver a porcentagem partindo do número citado em outra matéria, também foi feito. Usar um fato presente na vida de todos tornou a matemática mais palpável", destaca.

Para que atividade funcionasse, Maria Delma precisou planejar. Pesquisou, leu reportagens e preparou os alunos para a atividade, explicando como ela se desenvolveria antes de eles irem ao espaço.

2. Difundir o uso da biblioteca dentro e fora da escola

Foto: João Marcos Rosa
PRATELEIRAS ALHEIAS A biblioteca escolar deve ser o ponto de partida para outras estações de pesquisa, como a livraria. Foto: João Marcos Rosa

Mesmo que o acervo seja amplo, o docente precisa ter a consciência de que atividades que extrapolem a leitura e análise das obras enriquecem o trabalho com a turma e não podem ser esquecidas. Trazer um escritor para ler em voz alta alguma obra de autoria própria já vista pelos alunos ou chamar um nutricionista que fale sobre a alimentação saudável, finalizando uma pesquisa guiada nas aulas de Ciências, são formas criativas de agregar novas e diferentes informações aos temas curriculares.

Essa ampliação do alcance da biblioteca pode também funcionar no sentido oposto, cruzando os muros das unidades de ensino. Perrotti diz que é essencial ampliar os conhecimentos acessados e incentivar nos estudantes a vontade de procurar novas fontes de dados. Por isso, o professor deve pensar em outras estações, tais como unidades públicas, museus e casas de cultura, que possam complementar ou mesmo mostrar visões inovadoras dos assuntos pesquisados (saiba quantas cidades contam com bibliotecas no quadro da página seguinte). "A partir do que se aprendeu na escola, surgem novas perguntas a serem respondidas em outros espaços que possibilitem diferentes tipos de interação. Isso é importante não só do ponto de vista da informação mas também da formação, pois é frequentando esses locais que o aluno incorpora o hábito de procurar o que deseja."

Na EE Professor Leopoldo de Miranda, em Belo Horizonte, por exemplo, a professora de Língua Portuguesa Heloisa Ferreira promove visitas a livrarias com seus alunos do 6º ao 8º ano. "Com planejamento e de acordo com o tema estudado, deixo que leiam em outro ambiente. Eles aprendem e palpitam sobre o que nos ajudaria na sala de aula", diz ela.

Mais livros, mais bibliotecas

O Programa Nacional Biblioteca na Escola, do MEC, deve distribuir este ano acervos literários para abastecer as escolas brasileiras, priorizando títulos destinados aos alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Unidades com até 250 alunos devem receber 100 títulos; com 251 a 500 jovens matriculados, 200; e acima de 501 estudantes, 300. Os kits serão compostos de livros de poemas, contos, crônicas, teatro, texto de tradição popular, romance, memória, diário, biografia, ensaio, histórias em quadrinhos e obras clássicas. Ainda faltam, no entanto, obras de referência, paradidáticos e CDs e DVDs, que poderiam enriquecer ainda mais os materiais disponíveis aos alunos e facilitar o uso por professores de todas as disciplinas. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), das 136.781 mil escolas de Ensino Fundamental, apenas 41.646 (30%) contam com biblioteca. É uma realidade longe da ideal, mas outra estatística mostra que ainda há esperança. O Ministério da Cultura promete este ano zerar o déficit de 361 cidades (6,4% do total) que não têm unidades municipais, para diminuir a atual relação de 33 mil brasileiros para cada biblioteca. O acervo desses estabelecimentos é limitado, mas já é um bom começo para interessados em disseminar a cultura da leitura.

3. Ensinar a pesquisar para fortalecer a autonomia

Foto: Ricardo Jaeger
NOME E ENDEREÇO Cabe ao professor ensinar aos alunos os critérios de distribuição dos livros e materiais. Foto: Ricardo Jaeger

A biblioteca é um local que concentra informação e saber encontrá-la é uma competência fundamental - e deve ser ensinada desde cedo. "Esse exercício evita a formação de alunos dependentes do professor, que não acessam o potencial dos livros por si mesmos e se tornam passivos em relação ao conhecimento", afirma Walda de Andrade Antunes, mestre em Ciências da Informação e doutora em Educação, com uma tese sobre biblioteca escolar. Para que os alunos acessem a diversidade de fontes, é preciso colocá-los a par das regras de organização desde a Educação Infantil.

O livro Ler e Escrever - Entrando no Mundo da Escrita, da pesquisadora francesa Anne Marie-Chartier e de outros autores, diz que o ideal é expor primeiramente a criança a cantos de leitura na própria sala de aula, estimulando-as, aos poucos, a reconhecer as diferentes "famílias" de livros, como os didáticos, os de histórias e os dicionários, inclusive separando-os por suas características. Desse momento em diante, vale introduzir as formas de organização usadas normalmente (ordem alfabética, por tema etc.) para que as crianças se habituem a elas.

No Ensino Fundamental, uma atividade interessante é a do jogo do bibliotecário, em que a turma tem de achar um determinado título. Após o desafio, a professora pode questionar por que os alunos foram em determinada direção e por que encontraram a obra num determinado local e não em outro.

Saber em que prateleira cada coisa está, entretanto, não basta. É preciso acompanhar o aluno no manuseio das obras e ensinar o nome e a função das partes do livro, como índices, notas de rodapé, orelha e contracapa. Um projeto de pesquisa que abranja objetivos, justificativas, metodologia, produto final, fontes de consulta e cronograma também é importante para mostrar as fases do processo. O resultado é que, além de aprender o conteúdo, o jovem desenvolverá saberes que serão usados sempre.

4. Expor a produção dos alunos. Mas com critérios

Foto: Ricardo Jaeger
ESPAÇO PARA TODOS Se agregam conteúdo, as obras dos estudantes também devem ser indexadas à biblioteca. Foto: Ricardo Jaeger

É essencial aos estudantes entender que o material da biblioteca serve como base para a construção do conhecimento. Mas aquilo que a turma produz também serve como referência e pode ser exposto como fonte de consulta. Lucila Martínez, consultora da Unesco, diz que isso precisa ser feito de forma criteriosa. "Assim como não é qualquer material que é exposto na biblioteca, os trabalhos dos alunos não devem ser mostrados só para que eles se sintam valorizados. Para serem colocadas nas prateleiras, as produções precisam ser avaliadas. Se o acervo é uma escolha pedagógica feita pela escola, baseada em critérios, os trabalhos da turma que o formarão também merecem ser", salienta a especialista.

Karla Denise Bolson, professora de Artes do 6º ao 9º ano na EE Souza Lobo, em Porto Alegre, costuma analisar quais são os trabalhos que compilam, de forma clara e rica, os conhecimentos importantes para o grupo. "Fiz um trabalho em parceria com as professoras de Língua Portuguesa em que os alunos produziram uma seleção de contos. Eles se dividiram em grupos, escolheram uma obra e, baseados nela, reescreveram ou criaram textos novos. Dois livros ficaram especialmente bons e os expusemos", conta.

5. Ler por prazer em casa, na escola, só ou acompanhado

Foto: João Marcos Rosa/Ag. Nitro
VONTADE PRÓPRIA Estimular que o aluno leve o livro para casa incentiva a formação de leitores independentes. Foto: João Marcos Rosa/Ag. Nitro

Tão importante quanto integrar a biblioteca ao estudo dos conteúdos escolares é torná-la um ambiente onde os alunos leiam por prazer. Cisele Ortiz, coordenadora do programa Biblioteca Ativa, do Instituto Avisa Lá, de São Paulo, diz que dar liberdade ao estudante para ler o que quiser é criar um espaço livre de exploração da imaginação e criatividade. Essa leitura prazerosa, no entanto, pode e deve ser estimulada de várias formas.

Na EE Souza Lobo, a professora de Português Sandra Petrillo de Moraes, que dá aula no 4º e no 6º ano, incentiva a leitura com atividades que mostram quanto esse gesto é interessante. "Além da leitura em voz alta, costumo promover rodas de indicação de obras e debates sobre o que cada aluno está lendo. É mais interessante para o grupo que o estudante responda a perguntas coletivas sobre o livro do que pedi-lo para fazer uma ficha de leitura individual. Todos saem ganhando", conta.

Jose Luiz Goldfarb, consultor do projeto Letras de Luz, iniciativa da Fundação Victor Civita (FVC), afirma que é indispensável envolver a família dos alunos nesse processo. "Chamar os pais para frequentar a biblioteca escolar ou montar uma unidade que seja comunitária é uma forma de fazer com que a leitura saia da escola e contamine as pessoas. Precisamos estimular os jovens e formar leitores independentes para a vida."

Quer saber mais?

CONTATOS
EE Professor Leopoldo de Miranda, R. Barão de Macaúbas, 449, 30350-090, Belo Horizonte, MG, tel. (31) 3296-3398
EE Simão Ângelo, Av. Padre Cícero, s/nº, 63280-000, Penaforte, CE, tel. (88) 3559-1865
EE Souza Lobo, Av. Bahia, 948, 90240-552, Porto Alegre, RS, tel. (51) 3342-3631
Jose Luiz Goldfarb
Walda de Andrade Antunes

BIBLIOGRAFIA
Como usar a Biblioteca na Escola - Um Programa de Atividades para o Ensino Fundamental, Carol Kuhlthau, 304 págs., Ed. Autêntica, tel. 0800-2831-322, 39 reais
Escola, Sala de Leitura e Biblioteca Criativas - O Espaço da Comunidade, Lucila Martínez e Gian Calvi, 160 págs., Ed. Global, tel. (11) 3277-7999, 55 reais

Liege Lancetta Mansell Melo - Postado em 11/04/2010 19:05:54

Sou professora de Sala de Leitura do Município do Rio e acho que a sala de leitura é um lugar mágico.A maioria das crianças adora ler estar na biblioteca, mas as professoras regentes de turma nem sempre utilizam-se deste recurso, ficam a espera somente dos professores da sala de leitura, quando isso deve ser uma missão de todos envolvidos na comunidade escolar. Pais, professores regentes de turm, regentes de sala de leitura, alunos, diretores coordenadores. è isso aí jogar toda responsabilidade de algo tão sério e importante nas costas de um único elemento é muito sério. Desabafo!!!

maria das merces apostolo - Postado em 29/04/2009 22:23:35

O inimigo da Biblioteca Escolar muitas vezes está dentro não só do próprio centro educativo, mas também dentro de nós mesmos. Eis aqui algumas pistas para reconhecê-lo: ¿ Os que acreditam que ter uma boa biblioteca escolar é fazer muitas animações à leitura. ¿ Aqueles que compram para a BE, apenas exemplares de LIJ, e acham que um par de enciclopédias é suficiente para cobrir a demanda informativa do aluno. ¿ Os que pensam que quanto mais livros tenha a BE melhor ela será, mesmo que esses livros sejam enciclopédias de 1969 e atlas com mapas da Europa de 1984. ¿ Quem diz que uma BE aberta 2 horas por dia está à disposição do aluno e dos professores. ¿ Quem encerra os livros em depósitos fechados, salas trancadas a sete chaves perdidas, com a desculpa de preservá-los e protegê-los de furtos. Para querer roubar um livro há antes que conhecê-lo, apreciá-lo e desejar le-lo. ¿ Os que dizem, escrevem e defendem que as salas de leitura, podem fazer o mesmo papel que uma Biblioteca Escolar. ¿ Os que acreditam que se instalando um aplicativo e cadastrando alguns livros nas horas vagas estará montando uma Biblioteca Escolar. ¿ Quem chama de bibliotecário a uma pessoa que é docente e em sua carga horária tem um espacinho na semana para ser ¿bibliotecário¿. Não confundamos a parte pelo todo.

Lucia Hatsumi Sasaki - Postado em 26/04/2009 21:17:40

"Para que a biblioteca cumpra a função de expandir o conhecimento, é preciso diversificar o acervo e torná-la um ambiente de descobertas" Bem, eu digo que para que isso ocorra é necessário que que os agentes da educação formal tenham em mente que que as bibliotecas funcionam a partir de seu gerenciamento por parte dos bibliotecários. Como ex-professora da rede estadual do Estado de São Paulo, sou testemunha ocular de que os livros chegam às escolas, mas ficam muitas vezes trancados porque não há profissionais para cuidar dos acervos. Da mesma forma que apenas professores dão aulas, apenas bibliotecários gerenciam bibliotecas (e isso está na lei!!)



Leia todos
Publicado em NOVA ESCOLAEdição 221, Abril 2009,

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.