publicidade

Para que serve ensinar Ciências?

Palavra de especialista
Popularmente reconhecidas como curiosas, atualmente as crianças não têm demonstrado o mesmo interesse pelos porquês dentro da sala de aula. Estudos ainda apontam as dificuldades que os alunos apresentam para assimilar os conteúdos relacionados às Ciências. Neste novo cenário, cabe ao professor estimular o interesse pelo aprendizado, correlacionando os conhecimentos do cotidiano e acadêmico

Luciana Hubner

Página de > >|
=== PARTE 1 ====

1. Os desafios atuais para o ensino de Ciências

Os desafios atuais para o ensino de Ciências. Foto: Rafael Araujo
Minhocário da Escola de Educação Básica e Profissional Fundação Bradesco, de Paragominas/PA.
A especialista em Ciências, Luciana Hubner. Foto: Gabriela Portilho

Luciana Hubner, gerente
de Formação na Abramundo Educação
em Ciências e selecionadora
do Prêmio Victor Civita

Ensinar Ciências é um grande desafio. A construção dos conhecimentos científicos e o desenvolvimento tecnológico crescem a velocidades inimagináveis. Como a escola está preparando seus estudantes para conviver e atuar nessa nova realidade?

Pesquisas e estudos apontam o crescente desinteresse dos alunos pelas Ciências e a não aprendizagem dos conteúdos que lhes são ensinados. Avaliações e pesquisas têm apontado que os alunos não encontram somente dificuldades conceituais, mas também enfrentam dificuldades no uso de estratégias de raciocínio e soluções de problemas próprios da pesquisa científica.

Uma das dificuldades está relacionada ao que podemos chamar de conteúdos sobre Ciências. São os conteúdos procedimentais das Ciências - o que precisam aprender e fazer com seus conhecimentos científicos -, nomeados de competências científicas por autores contemporâneos.

Essas competências estão presentes nos trabalhos com experimentação. Os experimentos muitas vezes são vistos pelos alunos como situações de demonstração e não como de pesquisa. A atividade intelectual presente no trabalho de investigação científica é vista pelos alunos como uma atividade solitária permeada pelo esforço individual, e as conquistas, como mérito pessoal e não situações de cooperação, busca conjunta e aprendizagem coletiva. É fácil encontrar alunos que assumem uma postura inadequada ao trabalho científico, esperando receber as respostas em vez de buscá-las, que perderam o interesse e o encantamento em fazer perguntas, questionar a si, ao outro e a situação observada.

A imagem da Ciência como um processo de descobrimento de leis, identificada como visão positivista - coleção de fatos objetivos governados por leis que podem ser extraídas diretamente pela observação e com metodologia adequada -, apesar de ter sido superada entre os filósofos e historiadores das Ciências, continua presente em muitas salas de aula.

O desajuste entre a Ciência que é ensinada na escola e os próprios alunos é cada vez maior, refletindo uma crise na cultura educacional. Como aborda Juan Ignacio Pozo no artigo "La Crisis de la Educación Científica, Volver a lo Básico o Volver al Constructivismo?", a mudança no ensino de Ciências requer adotar não apenas novos métodos, mas novas metas e outra cultura educacional de ensino dessa área na escola. 

 

 

É necessário olhar o ensino de Ciências presente na escola se queremos melhorar a educação científica. As Ciências não podem ser vistas e tratadas como um conhecimento pronto a ser apresentado aos alunos; as Ciências não são apenas produtos acumulados em forma de teorias ou modelos. No texto "La Valoración de Argumentaciones y Explicaciones: Promover Estrategias de Retroalimentación", Richard Duschl destaca que é necessário levar para os alunos esse caráter dinâmico dos saberes científicos, conseguindo que percebam sua transitoriedade e sua natureza histórica e cultural, entendendo as relações entre o desenvolvimento da Ciência e a produção tecnológica, como também o compromisso da Ciência com a sociedade.

As Ciências são um campo privilegiado para o desenvolvimento de conhecimentos e competências que preparam para a vida. Resolver problemas, analisar informações e tomar decisões são algumas delas. Para ensinar Ciências na escola hoje, o desafio que o professor tem em mãos não é tão somente preparar as aulas, ter material, mas saber como realizá-las de modo a formar alunos participativos, críticos, com ferramentas necessárias para gerar ideias próprias e tomar decisões, entender e intervir de modo consciente no mundo à sua volta.

Nos próximos capítulos, convidamos o leitor a olhar o ensino de Ciências na escola e a repensar em sua forma, função e contribuição na formação de cidadãos para o mundo contemporâneo.

=== PARTE 2 ====
=== PARTE 3 ====
=== PARTE 4 ====
=== PARTE 5 ====

Página de > >|

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

 

Publicado em Abril de 2013.
Comentários

 

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.