publicidade

A ação do homem e o aquecimento global

Quando o assunto é a temperatura do planeta, os pesquisadores estão como a Terra: em polvorosa. Não há consenso para explicar os últimos fenômentos meteorológicos ocorridos no mundo. Mas de uma coisa se tem certeza: trata-se de um processo sem volta e a ação humana já ultrapassou em muito o limite do aceitável

Tatiana Pinheiro. Ilustrações: Rogério Fernandes

Página de > >|
=== PARTE 1 ====
Foto: Alan Kearney/Getty Images
RISCO DE INUNDAÇÕES O derretimento
do gelo que está sobre a terra firme,
como no polo Sul, vai contribuir para a
elevação do nível do mar, ameaçando
ilhas e cidades costeiras. No pior dos
cenários desenhado por especialistas,
o nível pode aumentar em 
59 centímetros.
Foto: Alan Kearney/Getty Images

Apesar da previsão do calendário maia de que o mundo como conhecemos vai acabar em 21 de dezembro de 2012, o mais provável é que não ocorra nada do que mostra o filme 2012, lançado em novembro do ano passado. Na trama dirigida por Roland Emmerich, o personagem do ator John Cusak luta para salvar sua família, enquanto o planeta se parte ao meio. Cenários catastróficos volta e meia ganham destaque no cinema e na imprensa, porém a maioria dos pesquisadores (físicos, astrônomos e meteorologistas, entre outros) não assina embaixo de teorias apocalípticas como essa.

É fato que o planeta Terra está passando por mudanças ambientais importantes. O marco inicial desse processo é a Revolução Industrial, que data do século 19. Foi nessa época que as fábricas começaram a demandar mais recursos naturais para produzir bens de consumo. O principal impacto da crescente atividade fabril - em vigor até hoje - foi o aumento da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera (veja o infográfico), especialmente do dióxido de carbono (CO2) produzido na queima de combustíveis, como o óleo diesel e a gasolina. Não por acaso, o último relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês), de 2007, aponta o dióxido de carbono como um dos principais vilões do aquecimento global e recomenda que as emissões sejam reduzidas à metade. Para o órgão, a maior autoridade no tema, há 90% de chance de o aquecimento do planeta ser provocado pelo acúmulo desse gás na atmosfera.

Segundo o meteorologista e pesquisador Marcos Sanches, do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de Cachoeira Paulista, a 230 quilômetros de São Paulo, a concentração de CO2 aumentou 37% entre 1750 e 2007 (saltou de 280 ppm - partes por milhão - para 383 ppm). "Isso faz com que o efeito estufa, se intensifique e provoque o aumento da temperatura média no planeta", diz. Previsões do IPCC indicam que a média da temperatura mundial subirá entre 1,8 e 4 °C até 2100. Nos últimos 100 anos, a elevação foi de aproximadamente 0,7 °C (em 2005, a temperatura média planetária ficou em 14,65°C). Uma alteração de 2 °C já seria suficiente para acelerar o derretimento do gelo que recobre a Antártida e a cordilheira dos Andes. "O gelo que está sobre a terra firme, como no polo Sul, não faz parte do volume de água dos oceanos. Por isso, ao derreter, ele contribui para elevar o nível das águas, ameaçando cidades costeiras e ilhas", diz Marcos Sanches. "Bem diferente da geleira que forma o polo Norte, que funciona como cubos de gelo num copo d'água. Ao derreter, ela não aumenta o volume de água." O pior dos cenários projetados pelo IPCC prevê uma elevação de 6,4 °C na temperatura, o que elevaria os níveis oceânicos em 59 centímetros.

Alguns especialistas acreditam que a progressiva fusão de gelo no polo Norte vai causar outro tipo de impacto: o enfraquecimento da corrente oceânica termohalina, que leva as águas quentes da região equatorial para as águas frias do norte do oceano Atlântico, e vice-versa. A termohalina funciona como um regulador de temperatura da Terra.

Um estudo recente do norte-americano Josh Willis, do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, na Califórnia, Estados Unidos, entretanto, defende que a circulação de águas continua tão intensa como antes, com a diferença de que hoje há um volume maior sendo transportado, pois as do Atlântico estão mais quentes.

=== PARTE 2 ====
=== PARTE 3 ====

Continue lendo a reportagem

Página de > >|

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

 

Publicado em , Maio 2010. Título original: O homem é o maior vilão
Comentários

 

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.