publicidade

Entrevista com Yolanda Reyes

Especialista colombiana em fomento à leitura e formação de leitores diz que a garotada está distante da literatura porque a cultura contemporânea conspira contra tudo o que não tem utilidade imediata

Beatriz Vichessi, de Belo Horizonte, MG

Página de > >|
=== PARTE 1 ====
Yolanda Reyes. Foto: João Marcos Rosa/Agência Nitro
Yolanda Reyes

Para quem insiste no discurso de que os jovens de hoje não gostam de ler, que as novas tecnologias são uma das maiores causadoras desse problema e que esse cenário não tem solução, Yolanda Reyes recomenda analisar melhor e mais a fundo a situação. A começar por observar o que esse público faz, do que gosta e o que diz. A educadora, colunista da revista digital Emília e fundadora dos Instituto Espantapájaros, em Bogotá, na Colômbia, chama a atenção, por exemplo, para os milhares de exemplares de livros de Harry Potter (J. K. Rowling, Ed. Rocco) vendidos no mundo. "Muitos adolescentes gostam de ler. Nós temos de ajudá-los a conhecer esse universo e refinar suas buscas a fim de que conheçam seus gostos e não sigam só o que está na moda", diz.

Com a experiência de quem também escreve para a garotada (no Brasil, foram publicados, dentre outros títulos infanto-juvenis, Terça-Feira: Quinta Aula e É Terminantemente Proibido, ambos da Editora FTD), a especialista também sugere que, para aproximar os adolescentes dos livros, os educadores trabalhem com leitura para além das atividades escolares.

Em visita à capital mineira para apresentar uma palestra na Biblioteca Pública Infantil e Juvenil, Yolanda concedeu a seguinte entrevista a NOVA ESCOLA.

De acordo com sua experiência com formação de leitores, qual a relação dos jovens com a leitura?
YOLANDA REYES
Na Colômbia, tal como em outros países, incluindo o Brasil, uma característica antiga da Educação marca a aproximação desse público com os livros: o ato de ler é orientado para fazer provas. Isso vincula a literatura à aprendizagem memorizada e à ideia de que os livros precisam estar sempre ligados à escola e à obrigação de ler para fazer algo depois. Os jovens leem e escrevem bastante, mas têm pouco contato com os livros na vida fora da escola. Eles acessam outros suportes, como celular, blogs, Facebook, e trocam mensagens o tempo todo. Ou seja, têm mais relação com a leitura para a comunicação do dia a dia, por vezes superficial, e não com a leitura para decifrar a vida - que tem a ver com a literatura.

Trabalhar com leitura e literatura na escola é tarefa do professor da disciplina de Língua Portuguesa?
YOLANDA
Não só dele. É de todos porque ler tem a ver com o mundo da informação das diversas ciências e campos do conhecimento, com conectar coisas, saber como outras pessoas resolveram problemas, o que sentiram e o que viram, inclusive as que viveram há muito, muito tempo. O problema é que nem todos os educadores leem e para formar leitores é preciso, antes de mais nada, ser um leitor. Também é papel deles ensinar os alunos a interpretar, fazer inferências e, como disse o escritor, sociólogo e crítico literário francês Roland Barthes (1915-1980), ler levantando a cabeça. Quer dizer, ler nas entrelinhas e fazendo pausas para escutar a própria voz.

Ainda que muito jovens considerem ler importante, a maioria não vê utilidade nisso e não se dedica ao hábito. Como reverter essa situação?
YOLANDA
Realmente, as artes nem sempre têm resultados imediatos e funções práticas. A literatura, por exemplo, não tem a ver só com ler para entender algo. Lemos por prazer, para relaxar e para vivenciar experiências que não são nossas. Mas a cultura contemporânea conspira contra o que não tem utilidade imediata. As provas internacionais que avaliam leitura também reforçam seu caráter utilitário porque cobram que os alunos leiam para resolver algo e entendo que essa é uma aptidão importante e faz parte da vida. Precisamos mostrar aos estudantes que a leitura também tem a ver com sentimentos e toma tempo, mas não é um desperdício. Isso pode ser feito, por exemplo, organizando sessões de leitura coletiva e de troca de recomendações entre colegas.

A escola precisa mudar o jeito de se comunicar com os jovens para que eles se interessem pelos livros?
YOLANDA
Sem dúvida. Temos de rever as barreiras que colocamos entre a linguagem da Educação e as linguagens da vida cotidiana, muito ligadas à internet e à televisão. O mundo se abriu e a escola precisa considerar isso, integrando as novidades à sala de aula. Levar isso em conta não tem a ver só com a formação de leitores, mas também com conhecer melhor os jovens, se aproximar deles, falar a mesma língua. Como entender alguém de 15 anos sem considerar a tecnologia que ele domina? É necessário desenvolver um intercâmbio. Os adolescentes têm muito a ensinar sobre como navegar na internet, onde encontrar conteúdos interessantes e de que forma aproveitar ao máximo as funcionalidades de um celular, por exemplo. Os educadores, por sua vez, podem aproveitar que a literatura é um meio para entender a experiência humana, e a adolescência, uma fase de paixões para convidar os alunos a descobrir nos livros como outras pessoas, de outras épocas, se apaixonaram, por exemplo.

=== PARTE 2 ====

Continue lendo a entrevista

Página de > >|


Fala, Mestre! Palavra de quem entende de Educação
Entrevistas com especialistas de diversas áreas, organizadas por ordem alfabética de sobrenome

  • De A a E
  • De F a M
  • De N a Z

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em NOVA ESCOLA Edição 254, Agosto 2012. Título original: "Os jovens leem e escrevem bastante, mas têm pouco contato com os livros"

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.