publicidade

Hora de fazer Arte: livre para criar

Diversificar os ambientes e variar ainda mais os materiais é um ingrediente básico para deixar fluir a arte dos pequenos, que, nesse modelo de trabalho, também podem optar entre mais de uma atividade

Carolina Bergier

Página de > >|
=== PARTE 1 ====
Escorregador de tintas. Fotos Arquivo pessoal e Dercílio
Escorregador de tintas
Materiais Escorregador, colchões, 
cartolinas e tinta guache.
Organização Coloque o escorregador em
um espaço amplo, despeje as tintas diluídas
uma a uma sobre ele e posicione, em volta,
os colchões para proteção. Vista as crianças
com camisetas velhas e deixe que 
escorreguem, deslizando depois em um 
painel de cartolinas no chão.

A imagem tradicional de uma atividade de Arte em que as crianças sentam por alguns minutos na cadeira, com uma folha na mesa e um pincel na mão, está longe de corresponder às experiências que Ana Carolina Thomé Pires desenvolve com a turma da creche. No trabalho com o Grupo 2 da EMEI Fernando Piva, em São Caetano do Sul, na região metropolitana de São Paulo, ela incita a turma de 2 e 3 anos a criar livremente e também explorar diferentes materiais.

A inspiração vem da arte-educadora e artista plástica dinamarquesa Anna Marie Holm. Suas ideias estão no livro Baby-Art - Os Primeiros Passos com a Arte (94 págs., Ed. MAM, tel. 11/5085-1300, edição esgotada) e também foram apresentadas em um workshop realizado em São Paulo no ano passado. "Já fazia algumas atividades desse tipo com a turma, mas depois de conhecê-la minha criatividade se expandiu", conta Ana Carolina.

Desde que passou pela formação, a professora também teve o cuidado de registrar tudo em fotos. E são as imagens captadas por ela que você pode conferir nas páginas seguintes, acompanhadas por informações sobre os materiais utilizados e a organização adotada para cada uma das propostas. Para entrar no clima, as crianças precisam aceitar o convite para se sujar. Por isso, é indicado começar por trabalhos menos ousados até chegar às grandes produções.

Varal de roupas. Fotos Arquivo pessoal e Dercílio
Varal de roupas
Materiais Barbantes, pregadores, roupas
velhas, pincéis e potinhos com tintas
de várias cores.
Organização Estenda um varal na altura
das crianças. Disponibilize os potinhos de
tintas para que possam fazer a troca de cores
com autonomia. Deixe, também, que
prendam as roupas velhas como preferirem
nos barbantes e as pintem livremente.

Uma sugestão para os primeiros momentos é forrar o chão com folhas A4 sem se preocupar com a simetria. Todos são convidados a desenhar, mas podem decidir brincar com a fita adesiva usada para colar o papel, por exemplo. E, nesse caso, tudo bem. Conforme a necessidade, mais folhas vão sendo espalhadas em mesas, paredes, portas e janelas, transformando a sala em uma grande tela. "Os pequenos se espantam quando o espaço para desenhar vai crescendo", conta Ana Carolina. Em uma atividade com esse mote, uma criança desenhou vários traços paralelos. Outras duas perguntaram o que ela estava fazendo. A resposta foi simples e clara: "Está chovendo!" Imediatamente, todas buscaram seu giz e se puseram a fazer chover também.

A apresentação de mais de uma opção de atividade é outro princípio essencial dessa linha de trabalho que deve ser previsto no planejamento. Com base nas propostas, os pequenos têm liberdade para decidir como vão participar. Por isso, quando Ana Carolina teve a ideia de transformar o escorregador em uma palheta de tintas, ofereceu uma alternativa aos que não queriam se sujar tanto. Em um espaço próximo, montou um tapete de cartolinas e quem preferisse poderia pintá- lo usando pincéis.

=== PARTE 2 ====
=== PARTE 3 ====

Página de > >|

Gostou desta reportagem? Assine NOVA ESCOLA
e receba muito mais em sua casa todos os meses!

Comentários

 

Publicado em NOVA ESCOLA Edição 256, Outubro 2012. Título original: Quando a liberdade é amiga da criatividade

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.