publicidade

10 contos para você ler
em menos de 20 minutos

Selecionamos textos imperdíveis da literatura brasileira. Confira o início de cada conto e eleja a leitura para suas férias

Uma Vela para Dario, conto de Dalton Trevisan, ilustrado por Omar Grassetti
Gente que Educa

Está sem tempo ou sem vontade de começar um romance? Talvez seja hora de se aventurar pelo mundo dos contos! Entre suas principais características, está a trama centrada em apenas um acontecimento. Então, em poucos parágrafos, a história apresenta seu início, meio e fim.

Apesar desse atributo, os contos estão longe de ser menos complexos que os romances. Na verdade, eles podem ainda ter uma vantagem, como o próprio Machado de Assis, romancista e contista, escreveu uma vez: "há sempre uma qualidade nos contos, que os torna superiores aos grandes romances, se uns e outros são medíocres: é serem curtos".

E como o tempo é curto, o autor precisa fisgar o leitor logo nos primeiros parágrafos. Nós seguimos essa receita na nossa lista de 10 contos imperdíveis: você confere abaixo o comecinho de cada um e clica para ler o que tiver vontade. Entre eles, estão textos de escritores de destaque, como o próprio autor de Dom Casmurro, e outros de seus colegas literatos, como Clarice Lispector e Pedro Bandeira.

Boa leitura - e conte pra gente, nos comentários, os inícios que mais chamaram a sua atenção.


>Bruxas não existem, de Moacyr Scliar

Bruxas não existem, de Moacyr Scliar
Quando eu era garoto, acreditava em bruxas, mulheres malvadas que passavam o tempo todo maquinando coisas perversas. Os meus amigos também acreditavam nisso. A prova para nós era uma mulher muito velha, uma solteirona que morava numa casinha caindo aos pedaços no fim de nossa rua. Seu nome era Ana Custódio, mas nós só a chamávamos de "bruxa". (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Um problema difícil, de Pedro Bandeira

Um problema difícil, de Pedro Bandeira
Era um problema dos grandes. A turminha reuniu-se para discuti-lo e Xexéu voltou para casa preocupado. Por mais que pensasse, não atinava com uma solução. Afinal, o que poderia ele fazer para resolver aquilo? Era apenas um menino!
Xexéu decidiu falar com o pai e explicar direitinho o que estava acontecendo. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Amplexo, de Marcelo Alencar

Amplexo, de Marcelo Alencar
Mãe, me dá um amplexo?
A pergunta pega Cinira desprevenida. Antes que possa retrucar, ela nota o dicionário na mão do filho, que completa o pedido:
- E um ósculo também. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Aprendizagem, de Flávio Carneiro

Aprendizagem, de Flávio Carneiro
- Mãe, cabelo demora quanto tempo pra crescer?
- Hã?
- Se eu cortar meu cabelo hoje, quando é que ele vai crescer de novo?
- Cabelo está sempre crescendo, Beatriz. É que nem unha.
A comparação deixa a menina meio confusa. Ela não está preocupada com unhas. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Moinho de Sonhos, de João Anzanello Carrascoza

Moinho de Sonhos, de João Anzanello Carrascoza
A mulher e o menino iam montados no cavalo; o homem ia ao lado, a pé. Andavam sem rumo havia semanas, até que deram numa aldeia à beira de um rio, onde as oliveiras vicejavam.
Fizeram uma pausa e, como a gente ali era hospitaleira e a oferta de serviço abundante, resolveram ficar. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Pontos de vista, João Anzanello Carrascoza

Pontos de vista, João Anzanello Carrascoza
Os sinais de pontuação estavam quietos dentro do livro de Português quando estourou a discussão.
- Esta história já começou com um erro - disse a Vírgula.
- Ora, por quê? - perguntou o Ponto de Interrogação.
- Deveriam me colocar antes da palavra "quando" - respondeu a Vírgula.
- Concordo! - disse o Ponto de Exclamação. - O certo seria: "Os sinais de pontuação estavam quietos dentro do livro de Português, quando estourou a discussão". (...)

Clique aqui para continuar lendo.


O caso do espelho, Ricardo Azevedo

O caso do espelho, Ricardo Azevedo
Era um homem que não sabia quase nada. Morava longe, numa casinha de sapé esquecida nos cafundós da mata.
Um dia, precisando ir à cidade, passou em frente a uma loja e viu um espelho pendurado do lado de fora. O homem abriu a boca. Apertou os olhos. Depois gritou, com o espelho nas mãos:
- Mas o que é que o retrato de meu pai está fazendo aqui? (...)

Clique aqui para continuar lendo.


O primeiro beijo, de Clarice Lispector

O primeiro beijo, de Clarice Lispector
Os dois mais murmuravam que conversavam: havia pouco iniciara-se o namoro e ambos andavam tontos, era o amor. Amor com o que vem junto: ciúme.
- Está bem, acredito que sou a sua primeira namorada, fico feliz com isso. Mas me diga a verdade, só a verdade: você nunca beijou uma mulher antes de me beijar? Ele foi simples:
- Sim, já beijei antes uma mulher.
- Quem era ela? - perguntou com dor.
Ele tentou contar toscamente, não sabia como dizer. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Uma vela para Dario, de Dalton Trevisan

Uma vela para Dario, de Dalton Trevisan
Dario vem apressado, guarda-chuva no braço esquerdo. Assim que dobra a esquina, diminui o passo até parar, encosta-se a uma parede. Por ela escorrega, senta-se na calçada, ainda úmida de chuva. Descansa na pedra o cachimbo.
Dois ou três passantes à sua volta indagam se não está bem. Dario abre a boca, move os lábios, não se ouve resposta. O senhor gordo, de branco, diz que deve sofrer de ataque. (...)

Clique aqui para continuar lendo.


A cartomante, de Machado de Assis

A cartomante, de Machado de Assis
Hamlet observa a Horácio que há mais coisas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia. Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de novembro de 1869, quando este ria dela por ter ido na véspera consultar uma cartomante; a diferença é que o fazia por outras palavras.
- Ria, ria. Os homens são assim; não acreditam em nada. Pois saiba que fui, e que ela adivinhou o motivo da consulta, antes mesmo que eu lhe dissesse o que era. Apenas começou a botar as cartas, disse-me: "A senhora gosta de uma pessoa..." Confessei que sim, e então ela continuou a botar as cartas, combinou-as e no fim declarou-me que eu tinha medo de que você me esquecesse, mas que não era verdade... (...)

Clique aqui para continuar lendo.


Se você quiser ler mais, acesse nosso Especial de Contos.


Dezembro de 2013

Comentários

 

Associação Nova Escola © 2016 – Todos os direitos reservados.